sexta-feira, 3 de julho de 2015

A Escola-contentorização...


A revista Visão desta semana volta a prestar serviço público, dando a conhecer importantes dados sobre o tempo que os alunos portugueses passam na Escola (em comparação com os alunos do resto da Europa) e a organização (ou falta dela) das férias ao longo do ano. 
São informações importantes que deveriam servir, antes de tudo, para que a tutela refletisse e ponderasse efetivar mudanças que urgem aplicar, por forma a que se deixe de ter uma situação de "oito e oitenta" como por cá vigora: muito tempo seguido de aulas, em cada um dos períodos de aulas, e demasiado tempo sem aulas no tempo de verão.
Para quem é professor não é novidade que no ensino básico temos um excesso de número de horas letivas, a acrescentar ao facto de, no 3º ciclo, termos também disciplinas a mais. É uma sobrecarga de horas passadas nas salas de aula que só prejudica os nossos alunos, sobretudo os alunos medianos e os que apresentam maiores dificuldades de aprendizagem. Ainda por cima, há que não esquecer que estes alunos mais fracos são aqueles que acabam por ser "bombardeados" com maior número de horas de apoio, de tutoria, de assessoria, de sala de estudo que, muitas vezes, têm efeitos contraproducentes. Há muito que defendo que urge fazer alterações nos currículos e cargas horárias, sobretudo, no ensino básico. E, falando do 1º e 2º ciclos, sabemos que as últimas alterações produzidas apenas vieram no sentido de antecipar conteúdos programáticos que eram lecionados uns anos mais tarde. Veja-se o que aconteceu com a disciplina de Matemática...
Os defensores do imobilismo defendem que os países que apresentam maiores pausas letivas ao longo do ano fazem-no por razões ligadas à severidade das condições climatéricas. Afirmam que nos países do centro e norte da Europa, o Inverno é muito rigoroso e que, por isso, os alunos têm de ter um maior número de dias sem aulas. Ora, se isso não deixa de ser verdade, também não é mentira que os melhores resultados obtidos por esses países nos rankings internacionais (p.ex. do PISA) poderão ter que ver com essas quebras letivas.
Por cá, há muito que temos o domínio da Escola-contentorização. A reduzida flexibilidade nas condições laborais, a acrescentar às dificuldades em harmonizar os tempos de escola e de trabalho, tem levado ao absurdo de termos os alunos portugueses entregues, durante o dia (muitas vezes, desde as 8 horas da manhã até às 19 horas da tarde) aos seus professores. E, se fosse possível, muitos pais deixariam os seus filhos até mais tarde nas escolas...
E, no dia a dia, o que temos? Disciplinas atrás de disciplinas, com o disparate de chegarmos a ter alunos do 3º ciclo do ensino básico com sete e oito disciplinas num só dia! Como podem os miúdos chegar à ultima aula do dia com vontade e empenho para trabalhar? Veja-se o que se passa na Finlândia, tantas vezes, elogiado como o bom exemplo a seguir em matéria educacional. Por lá, até ao sexto ano de escolaridade, os alunos têm menos 35% de horas letivas ao fim de um ano comparando com o que se passa por cá! E isso quer dizer que as crianças finlandesas aprendem menos? Não, apenas que aprendem melhor!!!
"Mais Escola" não é sinónimo de "Melhor Escola". Pode ser que o próximo Ministro da Educação, independentemente de quem o venha a ser, perceba isso...  


2 comentários:

Anónimo disse...

Boa!
Acabe-se de vez com a geografia, com a história, com as artes,...
Que fiquem apenas as linguagens, matemática, português e, claro, o inglês!!!

Agnelo disse...

Bom, menos tempo na escola significa menores cargas curriculares, o que, tendo em conta os valores de algumas, pode levar ao seu desaparecimento.