sexta-feira, 5 de outubro de 2007

Meras palavras de circunstância...

O discurso do Presidente da República nas comemorações do 5 de Outubro esteve cheio de elogios à profissão docente. Depois de meses de silêncio em matéria educativa, Cavaco Silva decidiu aliar o dia evocativo da Implantação da República com o dia mundial do professor, apelando à sociedade portuguesa para a importância de respeitar, acarinhar e prestigiar a função do professor. Palavras bonitas, mas insuficientes.
Depois de amanhã o discurso do Presidente será mero arquivo histórico, pois só com actos políticos sérios e capazes levados a cabo pelas entidades competentes é que as palavras poderão ter algum sentido prático. Ora, os últimos dois anos de governação socialista não auguram nada no sentido de prestigiar a classe docente. Muito pelo contrário! Com a minimização do acto de leccionar em prol dos actos burocráticos e com as dificuldades impostas à progressão na carreira docente, a vida do professor esforçado e dedicado à escola em nada tem sido prestigiada pelo actual Governo. Enfim, pode ser que daqui a um ano Cavaco Silva se lembre novamente dos professores deste país...

1 comentário:

arte por um canudo 2 disse...

Os Presidentes só se lembram da classe porque é politicamente correcto estar ao lado da dos professores. Mas na prática é o costume..ainda estamos lembrados duma mençao aos professores portugueses pelo Presidente Sampaio dizendo que estes trabalhavam poucas horas e deu o caso dos professores da Finlândia que trabalhavam 35 horas o que veio a revelar-se uma autêntica mentira mas que na altura teve os seus efeitos. Bom fim de semana.