quarta-feira, 17 de setembro de 2008

A primeira impressão com os alunos do "profissional de turismo"

Ontem tive o primeiro contacto com a turma do curso profissional de Turismo Ambiental e Rural onde lecciono a disciplina de Turismo e Técnicas de Gestão. Apresentei os objectivos do curso e as possíveis saídas profissionais e a primeira impressão que tive foi a de que ficaram minimamente entusiasmados. O problema surgiu quando lhes pedi para escreverem na ficha biográfica a razão pela qual escolheram este curso. A principal resposta que apareceu não foi a do gosto pelo curso ou a vontade de procurar emprego nesta área. Bem pelo contrário. O que mais li foi do género "quero acabar o 12º ano mais depressa" e "o curso de turismo é interessante". Ora, este tipo de respostas dá a entender que algo de muito errado está a acontecer com estes cursos e que os objectivos dos mesmos poderão estar a ser deturpados.
Pretende-se que os alunos que optam por um curso profissional tenham grandes afinidades, a começar pela vontade e o gosto, com a área do curso que terão de desenvolver ao longo de três anos. Ora, tirando três alunos, num conjunto de dezassete, que escreveram querer ir trabalhar no sector do turismo, a verdade é que parece que muitos alunos (ainda) não estão motivados para o que os espera...
Na aula de hoje, a segunda, comecei a dar a matéria propriamente dita. O primeiro módulo versa matéria de economia e, a verdade, é que não percebo qual a razão que leva os autores dos programas destas disciplinas a serem tão exigentes. É que o primeiro módulo que vou desenvolver com os alunos é quase "copy-paste" do programa de economia do 10º ano. Não se percebe: se se pretende que este tipo de cursos sejam mais práticos, então porque é que são tão exigentes com os conteúdos das disciplinas? Estive 90 minutos a tentar estabelecer diálogo com os alunos sobre temas como o orçamento familiar e a economia aberta e, da parte deles, o que mais ouvi foi silêncio, à excepção de dois alunos que ainda foram falando sobre a matéria.
Já vários colegas me disseram para simplificar ao máximo o programa da disciplina, mas, mesmo assim, não vai ser fácil. Está visto que a primeira estratégia terá de ser a de motivá-los; caso contrário a sala de aula irá ficar mais parecida com uma sala de palestrantes, onde um fala e os outros ouvem... Demasiado calmo para o meu gosto. Darei mais notícias.

5 comentários:

IC disse...

Sinceros votos de que essas aulas comecem a ter uma participação menos "calma" ;)

Jaculina disse...

Os meus querem fazer o 9º para tirar a carta. Os programas são de tal maneira irracionais que não podem ser simplificados nem levados a sério. Dê graças aos céus por tanta calma. O normal é que os 75% que não têm interesse na aula comecem a arranjar maneiras de complicar a sua vida.
Boa sorte.

Professorinha disse...

Acho engraçado os autores do programas serem pagos para simplesmente fazerem copy paste dum outro programa... É triste...

E ainda mais triste é haver alunos que só vão para os profissionais para fazer o 12º mais rápido... Mas é isso que a ministra e a sua comandita querem...

AnaCristina disse...

No segundo dia de aulas desta semana, depois da primeira semana de apresentações e "brincadeira", a maioria da minha turma de Desporto entregou na Secretaria um pedido para mudar de curso. Argumento: pensei que fosse fazer Educação Física.

No comments!

titofarpas disse...

Já melhorou alguma coisa? Já há mais empenho e motivação?
Abraço