sábado, 16 de maio de 2009

Não percebo estas teorias...

Notícia de ontem do novo diário "I" (por sinal, um jornal bastante interessante): "Telemóvel na sala de aula. Para usar sem limites, diz professora". Na notícia é referido que uma psicóloga de uma escola de Setúbal decidiu fazer dos telemóveis um instrumento de trabalho dos alunos, defendendo o seu uso para fotografar o quadro com o resumo da matéria, fazer vídeos para registar visitas de estudo, marcar as datas dos exames na agenda, configurar o alarme para lembrar que há trabalhos de casa a fazer, usar a internet para pesquisar, o bloco de notas para apontamentos, o bluetooth para partilhar ficheiros ou o gravador para reproduzir a aula em casa. Isto são alguns exemplos.
Ora, enquanto professor de alunos do 3º ciclo e do secundário não consigo imaginar uma aula minha com os alunos a fotografarem a matéria que escrevi no quadro. Era o que faltava! Eu a trabalhar e os alunos a saberem que não necessitariam de passar a matéria, porque bastaria que a fotografassem. Outra hipótese defendida por esta professora é o da pesquisa. Então e as bibliotecas e os portáteis já não são suficientes? Quanto à marcação dos testes e trabalhos de casa no telemóvel seria uma forma de desresponsabilizar os alunos.
Estou mesmo a ver os meus alunos com liberdade total para utilizarem os seus telemóveis na sala de aula!!! Era o descalabro... Se já agora têm dificuldades em tirar apontamentos (no meu tempo de alunos o professor falava e os alunos tiravam apontamentos, enquanto que agora querem que ditemos a matéria), com os telemóveis na aula seria a ditadura da preguicite aguda!!!

4 comentários:

pa-ciencia disse...

Por isso é que eles são psicológos... é mta teoria e pouca prática... e ainda por cima a teoria raramente se aplica à prática!

Eduarda Ferreira disse...

Desde já agradeço a referência no seu blogue.Sou a psicóloga de que o artigo fala e gostava de esclarecer que a minha ideia não foi promover a utilização de telemóveis sem limite dentro das salas de aula. O objectivo do estudo foi explorar a possibilidade de em determinados momentos, para tarefas específicas os professores poderem utilizar o telemóvel como recurso educativo dentro da sala de aula. E a minha ideia está baseada em práticas de professores que podem ser consultadas em www.m-escola.com

Prof Tuga disse...

HAJA PACIÊNCIA!!!! Se a senhora estivesse minimamente a par do tipo de alunos que temos, jamais lhe passaria pela cabeça ideia tão absurda!!!! Estas teorias e outras do género, vindas directamente da psicologia e aplicadas por um conjunto de iluminados, são as responsáveis pelo estado do ensino em Portugal. Ainda não perceberam que escola significa trabalho, empenho e esforço...e não divertimento e brincadeira... Começaram a dizer às criancinhas do 1ºciclo que tinham de fazer colagens, pinturas,bater palminhas, que reprovar traumatiza,... e agora não sabem escrever, raciocinar,... Enfim...e mais não digo...

Pedro disse...

Cara Eduarda Ferreira, acredito que o objectivo do seu estudo fosse o de explorar a possibilidade de em determinados momentos da aula os professores poderem utilizar o telemóvel como recurso educativo dentro da sala de aula. No entanto, a minha experiência (bem sei que é de apenas de 10 anos!) diz-me que os telemóveis não têm qualquer utilidade para a (boa) dinamização de uma aula. Os portáteis ainda vão tendo alguma utilidade, mas obrigam ao professor um esforço de enorme "vigilância". Podem chamar-me conservador, mas prefiro as aulas sem os telemóveis. Nem para servir de calculadora chegam, pois a tendência dos alunos é sempre a de mandarem mais uma mensagem.
Mas, cada um tem a sua opinião...
Boa sorte com a sua experiência!!!